Solução para pegar placa de carro – CFTV

Olá Pessoal,
Depois de muito pesquisar e até comprar equipamentos na internet para testes, entendi que existe alguns detalhes que realmente fazem a diferença para pegar placa de carro, só para deixar claro, não sou instalador de CFTV, comecei a brincar e acabou que virou hobby 😀

Inicialmente comecei com câmeras com recurso em HDCVI, com lentes de 12mm, analógicas, porém quando chega de noite sempre era um problema, pois não dava para visualizar a placa do carro! com borrões e claridade na lente.

O método mais simples de você conseguir pegar placa, principalmente a noite, seria usar câmera ip e trocar a lente, e claro, alterar as configurações do obturador, pois nas câmeras HDCVI esse recurso não existe.

Primeiro item:
A câmera precisa ser IP, pois você vai precisar alterar a configuração do obturador, vou falar mais no artigo sobre a configuração.
Segundo item:
A lente, estou usando uma lente de 8mm, mas para melhorar a resolução da placa, você pode usar uma de 12mm, mas observe o enquadramento, pois ela possui o foco mais fechado, se a sua rua for larga, mais de 7 a 8 metros não seria muito adequado, mas faça testes e veja qual se adapta melhor.
Terceiro item:
Qual a distância você pretende pegar a placa?
Entre 15 e 20 mt seria a distância recomendada! Pois durante a noite teria dificuldade para detectar placa de moto, por ser menor, isso se você usar uma lente de 12mm, lente de 8mm no máximo 12mt, depende de vários fatores é claro!

Obs.: A noite sempre será o maior problema, a placa precisa ser refletiva, pois a placa reflete com o IR da câmera ligado, se a placa for antiga não vai pegar, a não ser que tenha a luz da placa ligada, vai depender muito de caso a caso.

Vamos aos detalhes!

Mas primeiro, não me responsabilizo por eventuais danos em seu equipamento pelo mal uso das informações neste documento. É de sua inteira responsabilidade querer ou não utilizar as dicas neste documento, cabe ressaltar que você pode perder a garantia do equipamento! Só faça se tiver alguma habilidade técnica, caso contrário terá problema com o seu equipamento.

Segue algumas fotos do resultado!

Camera IP Intelbras VIP S3020 G2, ela vem com lente de 3.6mm, troquei por uma de 8mm.

Carro ok

Fiat uno em torno de 8 mt, Saveiro em torno de 16 mt

Carro a noite

Carro a noite com visibilidade da placa, em torno de 8 mt, sucesso em até 13 mt, depende do carro da placa etc…

Equipamentos que estou usando:

  • DVR: 3008 MHDX Intelbras
  • Câmera VIP S3020 G2
  • Gravando 24 horas por dia.
  • Câmera instalada a 3mt de altura.
  • Lente de 8mm e 12mm, facilmente encontrada na internet, coloquei abaixo uma foto.
lente

Infelizmente não tenho as fotos ou vídeo do procedimento da troca da lente, da câmera S3020 G2,  pois não tinha a intenção de publicar isso no blog, eu pretendo comprar uma em Full HD 2M, desta vez prometo fazer um vídeo e postar os resultados.

Primeiro quando você comprar a câmera e desmontar observe atentamente para não montar errado!

Passos para troca da lente, observe que a imagem que utilizei abaixo, trata-se de uma câmera simples HDCVI, apenas ilustrativa, não é a camera S3020 G2, mas o procedimento é similar.

  1. Remova a tampa
  2. Remova a lente
  3. Substitua a lente
  4. Ligue a câmera e ajuste o foco, coloquei um exemplo de uma câmera hdcvi aberta na foto abaixo, para exemplo, apenas para mostrar como fica a lente, circulei em verde para detalhar, muito parecida com a S3020 o encaixe da lente.
ajuste de foco

5. Ajuste o foco rosqueando a lente, de preferência no local onde você vai instalar para deixar nítida a imagem, depois disso você pode fechar a câmera.

6. Agora entre na configuração da câmera.

Principais parâmetros:

  • Deixe o perfil dia e noite iguais.
  • Mude para exposição (Manual).
  • Obturado 1/2000 (Significa que é dividido 1/2000, 1 segundo por 2000, ou seja, o carro em alta velocidade a foto ficará sem borrões).
  • Dia & Noite (Preto e Branco)
  • Compensação desligado

Os demais parâmetros, teste e faça ajustes até ficar com um resultado satisfatório.

Você deve perceber que a câmera fica em preto e branco, e escurece facilmente em dias nublados isso porque entra pouca luz, pois é muito rápida a abertura do obturador, porém não tem aqueles borrões na foto 😀

Recomendo comprar uma câmera acima de 720HD, certamente os resultados serão excelentes, também usar uma lente de 12mm, pois a resolução fica bem melhor a noite!

Segue um link com um post que fiz no YouTube mostrando o passo a passo.

Qualquer dúvida deixe um comentário.

Abraços.

Esvaziamento de operações da PF já preocupa ministra

Integrante do STJ Eliana Calmon afirma que a anulação das provas da ‘Boi Barrica’ mostra que alguma coisa está errada.

O Estado de S.Paulo

A ministra do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Eliana Calmon, corregedora nacional de Justiça, disse ontem que está preocupada com o esvaziamento de operações da Polícia Federal.

Indagada se casos como a Boi Barrica – missão da PF que o STJ anulou porque considerou ilícitas as provas colhidas -, podem enfraquecer o poder de investigação policial, ela foi taxativa. “Acho, e acho preocupante. Alguma coisa está errada.”

“Ou a Polícia Federal está inteiramente errada, jogando fora o dinheiro da Nação, fazendo investigações temerárias, ou a Justiça está errada”, assinalou.

Ela sugeriu: “Então eu acho que nesse momento nós precisamos parar para raciocinar sobre o que nós estamos fazendo com o dinheiro do contribuinte”.

A Boi Barrica, depois denominada Faktor, é um procedimento da PF que levou ao indiciamento do empresário Fernando Sarney por tráfico de influência, formação de aquadrilha e lavagem de dinheiro. Ele é filho do presidente do Senado José Sarney (PMDB-AP).

O STJ derrubou todo o trabalho da PF em apenas 6 dias, tempo que levou para julgar habeas corpus impetrado por um funcionário do Grupo Mirante, de propriedade da família Sarney.

Em São Paulo, Eliana Calmon participou do encerramento de um ano do mutirão Judiciário em Dia, no Tribunal Regional Federal da 3.ª Região (TRF3), o maior do País – foram julgados nesse período 88 mil processos.

Escutas. Depois do evento, Calmon falou sobre escutas telefônicas. Em 2011, a Justiça já autorizou mais de 17 mil grampos em todo o País.

A avaliação da corregedora é esta: “Como o País está descobrindo mais corrupções, como o País está crescendo mais e, na medida que cresce, a corrupção também aumenta, naturalmente o trabalho da polícia aumenta. Eu não acho que nem seja positivo, nem negativo”.

A ministra, que integra os quadros do Superior Tribunal de Justiça desde 2009 e assumiu a Corregedoria Nacional de Justiça em setembro de 2010, considera que a PF é que tem de dizer se as interceptações são imprescindíveis. “Só a polícia pode ver se é necessário ou não. A ideia que nós temos é que nem sempre a prova pode ficar só em escuta telefônica.”

Ela ressaltou, no entanto, a complexidade que cerca o rastreamento de organizações criminosas com ramificações na administração. “Sabemos das dificuldades de se fazer investigação em crimes tais como lavagem de dinheiro e corrupção por grupos organizados que estão infiltrados dentro do Estado.”

Jurisprudência. Segundo Calmon, a ação desses grupos se dá dentro de repartições públicas. “Muitas vezes esses crimes não deixam rastros, não deixam vestígios, não deixam provas materiais. Muitas e muitas vezes somente através de escutas telefônicas é que a polícia tem condições de começar a investigação.”

Questionada sobre o tempo recorde de seis dias que o STJ levou para acolher habeas corpus e aniquilar a Boi Barrica, a ministra disse. “Eu não sei, eu não conheço o processo. Eu não vi as provas, então eu não posso dar uma opinião abalizada. O julgamento de habeas corpus é rápido, de um modo geral.”

Calmon observou que seus colegas aplicaram jurisprudência consolidada n 6.ª Turma da corte e no Supremo Tribunal Federal. “Me parece, pelo que eu li nos jornais. (A jurisprudência) tratava da contaminação do inquérito e das provas colhidas nesse inquérito, quando uma das provas iniciais está viciada.” FAUSTO MACEDO e CAMILA TUCHLINSK

Fonte: Estadao.com.br

Nota do editor: Notícias sobre o Sarney sempre são muito recheadas de corrupção, vergonha para o Senado e para o Brasil.

Tribos da Amazônia exigem o direito de mineração

16/09/11

Demorou, mas acabou acontecendo, como era mais do que previsível. As tribos indígenas da chamada Amazônia Legal, que detêm cerca de 25% do território brasileiro de reserva ambiental onde é proibida atividade econômica, estão mobilizados para defender a mineração nessas áreas de preservação. E não se trata de um movimento brasileiro, mas de caráter internacional.

Representantes de etnias do Brasil, da Colômbia, do Canadá e do Alasca preparam uma “carta declaratória” aos governos brasileiro e colombiano, reivindicando os direitos indígenas à terra e o apoio à mineração.

“Solicitamos ao Estado brasileiro a aprovação da regulamentação sobre mineração em territórios indígenas, porque entendemos que a atividade legalmente constituída contribui com a erradicação da pobreza”, diz o documento ao qual a Folha de S. Paulo teve acesso.

A mineração em terras indígenas é debatida desde a Constituição de 1988, que permitiu a atividade nessas áreas, caso regulamentadas. O projeto de lei nº 1.610, que trata dessa regulamentação, está em tramitação no Congresso desde 1996.

Mas este é apenas o primeiro passo. Quando se fala em tribos indígenas, na verdade está se tratando de um movimento internacional muito poderoso, integrado pelas mais de 100 mil ONGs nacionais e estrangeiras que atuam na Amazônia. A reivindicação da extração mineral é apenas a ponta do iceberg. Os índios querem mais, muito mais.

Com a progressiva ocupação da Amazônia, a partir do período colonial as tribos foram se afastando, subindo os afluentes do Rio Amazonas, para ficarem o mais longe possível dos colonizadores. Resultado: por questões geológicas, as terras mais altas que hoje as tribos ocupam são justamente onde estão localizadas as mais ricas jazidas minerais da região.

As tribos na verdade estão exigindo que o Brasil reconheça e obedeça os termos da Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas. O Brasil em 2007 assinou esse tratado da ONU, que reconhece a independência administrativa, política, econômica e cultural das chamadas nações indígenas, mas depois se arrependeu e não quer cumprir as determinações do documento.

Se o governo brasileiro já estivesse cumprindo os termos do tratado, as tribos nem precisariam estar reivindicando o direito de mineração em suas respectivas reservas, porque seriam países independentes, onde nem mesmo as Forças Armadas brasileiras teriam o direito de entrar, segundo os incisivos termos da Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas, que está disponível a todos na internet, mas poucos se interessam em ler.

O tratado foi assinado pelo Brasil no governo Lula, quando Celso Amorim era ministro das Relações Exteriores. O fato de o Brasil ter aceitado sem ressalvas o acordo internacional, que foi rejeitado por vários países, como Estados Unidos, Nova Zelândia, Austrália, Rússia e Argentina, é um dos motivos do baixo prestígio de Celso Amorim junto à cúpula das Forças Armadas.

Nota do editor: Somente no Brasil para assinar um tratado desses, que praticamente entrega a sua soberânia nas mãos de ONGs estrangeiras.

Fonte: www.jmendo.com.br

O roubo dos estacionamentos rotativos Zona Azul em SP

Para quem já usou o Zona Azul na capital imagina o quanto é caro o ticket de estacionamento que vale apenas 1 hora e custa R$2,80 se você comprar o talão com 10 tickets, se você comprar avulso não paga menos que R$4,00 reais.

Esses dias precisei utilizar 4 tickets na região do Itaim Bibi, especificamente ao lado do Hospital São Luiz, e percebi que pela matemática 4 x R$2,80 = R$11,20 mais 1 ou 2 reais poderia ter deixado no estacionamento e estaria mais seguro.

Acho a ideia do ticket boa, mas a discrepância é absurda em minha cidade Santo André, o estacionamento rotativo é R$1,20 uma hora, ou seja, se torna acessível, agora R$2,80 para largar o carro na rua por uma hora? É a mesma coisa que colocar o revolver na minha cara, dependendo a quantidade de horas que você estaciona e o lugar é mais caro que largar em estacionamento!

Fica aqui meu protesto.

PSD reproduz atas e é acusado de falsidade ideológica

Kassab começa bem o novo partido PSD, tem até mortos que assinaram.

Enquanto o prefeito perde um tempo valioso para criar o novo partido politico, a cidade clama por muitas melhorias.

Veja a matéria abaixo publicada no Estadao.

O PSD, partido a ser criado pelo prefeito paulistano Gilberto Kassab, distribuiu modelos de atas para que fossem registradas supostas reuniões das comissões provisórias da legenda pelos municípios. O registro desses encontros é uma das obrigatoriedades impostas pela Justiça Eleitoral para reconhecer uma nova sigla.

A reportagem teve acesso a 44 atas praticamente idênticas de reuniões que teriam ocorrido em cidades paulistas entre junho e julho deste ano. As únicas diferenças que constam dos textos são os nomes dos participantes e a data e o local dos encontros.

O DEM, partido pelo qual Kassab foi eleito prefeito e do qual anunciou desligamento, pedirá hoje a impugnação do registro do PSD no Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, dando início à disputa na Justiça contra a formação do novo partido.

No pedido, advogados do DEM questionam desde o estatuto proposto pela nova legenda, que não disciplinaria questões como a forma de escolha de candidatos, como a ausência de dados de 86 fundadores da sigla.

O advogado do PSD, Admar Gonzaga, sustenta não haver irregularidade e disse que as atas foram usadas como script. “Quando eu fiz o modelo de ata, eu pedi às pessoas para que não ficassem inventando moda na reunião, seguissem aquilo como um script”, afirmou ontem.

Kassab seguiu a mesma linha. “As pessoas ficam na insegurança de cometer qualquer equívoco e costumam fazer muito próxima mesmo do que foi encaminhado ou até igual. Isso não é nenhuma má-fé, é um cuidado jurídico para que não haja irregularidade e depois não seja impugnada”, disse.

Ceará

Fonte: Estadao.com.br